quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Isso não é para ser triste. Presa aos 17 anos.

Eu poderia passar toda a minha inútil vida correndo atrás de você, muita gente faz isso. Eu poderia passar todos os dias de todos os anos em que ficaremos( e ficaremos) longe trancada em casa esperando você ligar, ou aparecer, mandar quem sabe um recado telepatico me convidando pra sair, jogar carta no chão da sua casa, fumando milhões de cigarros e reclamando da falta deles no inicio da manhã. Sabe, coisas desse tipo tem muita gente que faz, mas há, isso não combina comigo( e nem com você). Eu prefiro passar a minha vida assim, desse jeito que estou, caçando amores, achando amores, sempre precisei disso...e eu sempre soube que você não me daria o que eu queria. Sim, eu sempre soube. Estavamos juntos, nada sério, mas foram os meses mais empolgantes que eu vivi até agora. É triste, realmente triste, que eu tenha encontrado o amor tão cedo, por que perto de qualquer outra aventura do genero que eu tiver, qualquer uma será apenas mais uma, nenhuma tão empolgante, nenhum vai dar a risada frenética que você deu quando eu falei numa madrugada que estamos nos alimentando muito bem com a sua maravilhosa sopa de cenoura desidratada comprada pré-pronta no mercado. Eu terei casos sérios aos meus vinte e poucos anos, sei disso, e também sei que serei feliz, mas não, nenhum caso será tão intenso quanto ao que eu tive aos meus 17 anos. O infelicidade do destino fazer eu me perder aos 17 anos, logo aos 17 anos. Vou vivendo de tentativas de romances, mas serão tentativas, você deixou seu nome marcado a ferro quente dentro de mim. Mas a minha vida toda esperando por você, há não. Não sou mulher disso. Sou mulher de lembranças. Da noite. Da vida.De eternas tentativas de amores insaciaveis. Mas vá, quem sabe numa dessas eu ache um que me sacie, como você conseguiu, calado. Isso não é pra ser triste, e nem quero que as pessoas a sua volta sintam pena ou me achem idiota quando você, porventura, mostrar isso num dia qualquer, eu apenas quero escrever sobre você, pra você. Dizer que ainda não sei se te agradeço, ou se te desprezo por ter me mostrado precocemente o amor. Dizer que sou melancolicamente feliz. Caricia no rosto, e um beijo na testa, como antigamente, da sua.

3 comentários:

- Milii disse...

nossa texto bem polemico :x
gostei bastante daqui
parabens

Nικκι disse...

Ninguém sabe pra quem é esse texto, nem eu sei :o
NGM SABE MEO uiasdhuiasdhuaisd
:xxxx
Lindo mari, nem preciso dizer o quanto tu escreve bem.

gica beerhouse disse...

será que, realmente, existe destino?
paixão na adolescencia sempre marca, talvez por ser a primeira, e com isso seja sempre mais "enfeitada", "fantástica" e "mimimi" que as outras que viram... e isso não quer dizer que as que virão sejam "menores", se é que você me entende...