domingo, 17 de agosto de 2008

Amor Subversivo



No dicionário subversivo é aquilo que revoluciona.
Subverter pode ser algo que arruine,
destrua,
ou simplesmente pôr em estado de desordem.
Amor no dicionario é aquela viva afeição que nos impele para o objecto dos nossos desejos. Amar pode ser a inclinação da alma e do coração, objecto da nossa afeição,ou simplesmente paixão.
Agora imaginei um amor subversivo.
Uma inclinação da alma e do coração que coloca em estado de desordem.
Pronto!
Achei a definição perfeita de paixão.
alguma coisa tão boa de sentir que é capaz de nos detruir
nos revoltar
deixar em estado de transe.
Existem varias formas de amor na teoria
- captativo: amor possessivo.
- conjugal: amor pelo qual as pessoas se unem pelas leis do matrimónio
- oblativo: amor dedicado a outrem
- platónico: intensa afeição que não inclui sentimentos carnais
- possessivo: amor que leva a subjugar e monopolizar a pessoa que se ama
Mas convenhamos, hoje eu achei a sintonia perfeita, a junção que encaixa com aquilo que não se consegue explicar, sabe, esse tal de " estar amando" ou esse tal de " estou apaixonado" ou sentir tanto prazer em fazer alguma coisa.
Quando estamos amando,
apaixonados,
somos capazes de revolucionar o mundo,
de destruir qualquer coisa pelo objeto do nosso desejo.
Então...
Todo o amor é subversivo.
E subversivo é o amor.





2 comentários:

Paulo Vilmar disse...

M!
Todo o amor é patético, necessário e sublime! por isso amamos...
Beijos!

Gostei disse...

Na 13º linha "...alguma coisa tão boa de sentir que é capaz de nos detruir" falta o "s" de destruir.
Gostei do texto.