domingo, 11 de maio de 2008

mais melodramatica que a música francesa que não para de tocar.

Uma dose de whisky na mesa, um cigarro esquecido no cinzeiro, uma unica música francesa tocando . Jogada na cama, procuro o som da tua respiração no meu ouvido. Eu levanto toda hora, trago a fumaça do cigarro já esquecido, engulo os ultimos goles do whisky aguado. Passo pela tua foto colada ao meu espelho. Olho você, olho meus olhos já cansados. olho você novamente. Jogo-me na cama, a nossa música francesa não para de tocar, não para! Ela não quer parar de tocar! Não me obedece, não quer me ouvir. Meus lábios estão secos, o whisky já não mata minha sede. O cigarro já não sacia minha dor.Os dias sem seus braços na minha cintura demoram a passar, eles são todos iguais. Demoram...não passam. São iguais. Tua respiração embala meu sono nos fins de semana, já não consigo dormir sem ela ao meu ouvido.
Sim. Gosto de ser dramatica. Mesmo sabendo que vou te ver logo, dois dias sem você já me tornam a mulher mais melodramatica que a música francesa que não para de tocar.

4 comentários:

balboa disse...

bem indie :x

Paulo Vilmar disse...

Mary!
Não é atriz por um triz!
Beijos

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Mulher que se preza tem que ser assim: Melodramática! Senão, como fazer poema, como descrever amores e dores?
Continue assim... tá lindo!
Obrigada pela visita, apareça sempre,
bjos

ariadne disse...

simplesmente adorei,
você escreve divinamente bem

beijo